fbpx

O erro ensina

Vivemos em uma época aonde tudo parece sobreviver à base de rankings:
você só recebe elogios se é o mais forte, o mais bonito, o mais sarado, o
mais inteligente, o que ganha mais, o que sorri mais nas redes sociais, tem
mais amigos, só para enumerar algumas das classificações comuns que a
sociedade impõe, pressiona e cobra de crianças e adultos.

Sabemos que uma página com escrita impecável é na maioria das vezes,
precedida de vários rascunhos. No caso do computador, de várias
autocorreções.


É normal, aceitável, esperado, que o acerto seja a superação do erro. O
problema é que esquecemos que via de regra aprendemos a ver os
contornos das coisas não pela luz que nelas incide, mas pela sombra
produzida e aprendemos o caminho mais exitoso quando sabemos aonde
erramos.


Mas hoje, errar é tão dramático que os pais correm para fazer lições de
casa pelos filhos, para que as exibam sem erros, como se a professora não
soubesse reconhecer o padrão de trabalho da criança que tem a sua
frente durante horas toda semana.


Se o filho esqueceu o celular em casa, pais correm para o levar na escola,
como se não houvessem telefones fixos ou se fosse impossível localizar a
criança por outro meio. Deixar o filho entender que ele é o responsável se
esquecer algo, sentir o desconforto da falta deste ou daquele objeto,
passar por momentos de desassossego, tendo que reconhecer que foi
descuidado, nem sonhar!


Segundo esse modo de pensar ,deixar a criança se frustrar é uma tragédia
não a educa, mas tira a ilusão de ser “o cara” a todo instante, o que
reafirma a máxima da década: “meu filho nasceu para ser feliz”, o que na
pratica significa : não ter limites, não esperar, não “receber” notas baixas ,
não ser chamado a atenção, não ter que se adaptar ao meio , já que
obviamente são as outras pessoas e o ambiente que devem se render a
esse ser tão especial.

Dizer a esse tipo de pais que o filho errou , provoca um tsunami
ideológico, sem base alguma na realidade :nascer para ser “feliz”, pior que
conto de fabulas não permite que a criança participe legitimamente dessa
construção ,justamente moldada através de erros que devem ser vistos e
revisitados para , percebendo o contraste das situações, dos pensamentos
e sentimentos, o indivíduo venha apreender , ter consciência da falta e da
plenitude , sinta motivação, determine objetivos e desenvolva a
resiliência.


Ao se prender ao acerto permanente , a sociedade acabou por se tornar
irracional em relação ao imenso valor do erro: a educação , tanto familiar
como a que vemos na escola é frequentemente focada no erro, mas não
no erro calibrado pelas oportunidades que pode criar , mas pelo seu valor
negativo, somente os apontando como algo a ser evitado a todo custo,
escondido, apagado e não como ponto de partida para o crescimento.


As vezes a escola até parece partir do princípio que a melhoria ocorre
quando se cria insatisfação. Prever erros, aponta-los, fazer deles o
instrumento que afere o rendimento, é quase parte de um rito
educacional, que por mais que mudem os tempos, permanece rançoso nas
nossas escolas.


O aluno recebe sua avaliação, sua nota não pelos acertos, mas pelos erros.
Uma resposta muito bem redigida, que demonstre compreensão e
trabalho intelectual da criança, deveria valer muito mais que um erro
cometido em outra questão. A avaliação escolar, cursa em muitas escolas
ainda hoje, comparativamente a qualquer planilha financeira à qual venha
a ser comparada.


Assim, são os erros e não o esforço, o acerto que determinam o valor do
aluno e rapidamente pais e filhos assustam-se com o risco sempre
eminente de cometer um erro, portanto há de se evitar a todo custo
circunstâncias aonde é frequente errar, e a escola é uma delas.
Situações contraditórias são desencorajadoras: de um lado evitamos
desde cedo que as crianças se frustrem com situações corriqueiras e de
outro cobramos seus erros como se estes fossem o espelho do valor da
criança.


Sentindo-se limitados, diminuídos, inseguros frente a condenação por
suas falhas, crianças e jovens são ao mesmo tempo envolvidos pelas exigências dos rankings mais desafiadores. Ao invés de terem motivação
para pensarem em como fazer de modo diferente e buscarem o acerto, e
o sucesso de modo criativo, se acomodam pelo desvelo ou incriminação
excessiva da família. Uma acoberta ficticiamente o erro, a outra o
perpetua.


Errar faz parte do jogo, mas não pode ser o próprio jogo e nem a essência
do jogador. Errar faz parte do acerto, assim como é a sombra que
determina a qualidade da fotografia. O mérito de uma pessoa em
qualquer idade não pode ser mensurado por um desempenho mais ou
menos brilhante pois esses parâmetros dependem de inúmeros fatores
externos, inclusive o objetivo e preferencias pessoais de cada qual.
Ninguém admira tanto as pais quanto os filhos e é para eles que a criança
estabelece a sua primeira luta por aprovação. Se suas dificuldades são
tratadas com respeito e amorosidade, incentivo e senso de realidade,
terão uma oportunidade muito mais real de supera-las.


Mas por vezes os pais, ate por vaidade, determinam padrões quase
inatingíveis para a criança: afinal que diferença faz na prática saber ler aos
4 anos? Ao entrarem no ensino fundamental, terão que voltar a passar
pelo mesmo processo, mas já desmotivados pela falta de estímulo frente a
maioria dos colegas a quem não vão superar a não ser momentaneamente.


Assim também, muitos pais se desesperam ao perceberem que o filho não
tem interesse especial para os esportes e nem por ganhar medalhas ou ir
a olimpíada e agem como se fossem traídos pela vida que em uma
segunda chance não lhes deu essa oportunidade pessoal.


Amamos nossos filhos e alunos, mas podemos não apreciar um ou outro
comportamento deles. Entretanto, estimular e dar oportunidade de
perceber o erro como uma ocasião de crescimento, é educar realmente
para a busca pelo acerto, felicidade emocional e a Saúde Mental.

Irene Maluf

Author: Irene Maluf

Pedagoga; Especialista em Educação Especial; Psicopedagogia e Neuroaprendizagem. Foi presidente nacional da Associação Brasileira de Psicopedagogia -ABPp (triênio 2005/07) e Editora da Revista Psicopedagogia (2003 a 2016); Atualmente é membro do Conselho Vitalício e da Diretoria Executiva da ABPp além de participar do Conselho Executivo da Revista Psicopedagogia.Organizadora, co-organizadora e co-autora em diversas publicações no Brasil e Exterior e autora de artigos na área da Psicopedagogia e Neuroaprendizagem em livros e revistas nacionais e internacionais.Palestrante em cursos e congressos no Brasil e no exterior. Sócia-Honorária da Associação Portuguesa de Psicopedagogos (2003). Trabalha em consultório de psicopedag ogia desde 1976, com experiência na área de Educação Regular e Especial, ênfase em Psicopedagogia e Neuroaprendizagem. Participa de grupos multidisciplinares .Perita Judicial . Diretora do Núcleo de Aperfeiçoamento Profissional em Psicopedagogia e Neuroaprendizagem Irene Maluf. É Coordenadora Pedagógica dos cursos de pós graduação Lato Sensu do Instituto Saber Cultura/FTP- Núcleos Sul e Sudeste Brasileiro- em Neuroaprendizagem, Transtornos do Aprender, Psicomotricidade, Cognição e Psicopedagogia, desde 2009 e do Mestrado em Ciencias da Educação da FTP/Unades.

Comentários no Facebook