Arquivo de tag divórcio

porIrene Maluf

Os filhos do divórcio

O número de casais que se separam atualmente  é sem dúvida muito expressivo e isso pode ser constatado também nas escolas, onde é comum  vermos crianças relatando que viajarão para a casa do pai nas férias, que vão à casa da mãe no próximo final de semana, que ganharão irmão quando a mãe se casar com o novo namorado pois este  trará seu filho para morar com eles, etc

Se há trinta ou quarenta anos atrás, era um fato constrangedor ser filho/filha de pais separados e de um segundo casamento quando ainda não havia divórcio ou mesmo, ser a segunda esposa em uma época em que as aparências  gritavam mais forte que o desejo e o direito de ser feliz, hoje  a maioria das pessoas adultas compreende e apóia  a nova configuração familiar, desde que esta mantenha valores éticos e morais na sua conduta e na educação dos filhos. A situação das novas famílias, criadas após a regulamentação do divórcio e os novos casamentos, nos trouxe uma revisão de conceito de família e em geral uma aceitação mais humana e menos crítica das novas opções de vida que as pessoas escolhem para si e para seus filhos.

Entretanto, nem por isso, a separação do casal passou a  ser um momento menos doloroso para eles próprios e seus filhos não deixaram de sentir as mudanças que trazem inevitavelmente o morar sem um dos pais. Talvez mais acostumados a ver seus coleguinhas em idêntica situação, as crianças aceitem atualmente com mais naturalidade as suas novas condições de vida, na certeza de que sobreviverão e que continuarão a ter pai e mãe, mesmo morando em casas separadas. Mas, os primeiros meses não costumam ser fáceis mesmo para quem já se habituou a acompanhar situações  similares e nem  para quem até quisesse ver os pais pararem finalmente de brigar. Além das diferenças individuais e das condições que precedem o divórcio, em cada faixa etária,  as crianças recebam de modo diverso o rompimento familiar e  freqüentemente as conseqüências  aparecem no seu rendimento escolar.

De modo geral, se a separação do casal ocorre durante a gravidez ou no pós parto, é certo que o bebê  não terá noção do que ocorreu, mas poderá sofrer  com o resultado de uma  possível depressão da mãe, da qual ele não prescinde o convívio,  a atenção , os cuidados e a qualidade destes dependem do  estado de ânimo materno. Crianças de até três anos, que ainda não tem meios de compreender claramente a situação, tendem a passar por um período de lamentações, podem parecer regredir e se tornarem mais manhosos. Muitas, por se sentirem ameaçadas, passam a apresentar comportamentos agressivos, que antes nunca haviam demonstrado tanto em casa como na pré escola.

Após essa idade e até os seis anos, as crianças vão adquirindo maiores noções da realidade e já é possível conversar com elas, o que minimiza sua insegurança e medo de ser abandonado ou esquecido, apesar de que é comum voltarem a sofrer de enurese, terem pesadelos noturnos, ficarem com sentimentos de culpa e passarem a ser muito obedientes julgando que assim o pai/mãe que saiu de casa retornará .Podem ao contrário se  tornarem agressivos, rebeldes,passarem a tentar enganar a si próprios e aos demais dizendo por exemplo à professora e aos coleguinhas que os pais continuam juntos e felizes.

Dos seis aos nove anos, é freqüente que após um período de tristeza, passem a desenvolver fantasias de reconciliação, ao mesmo tempo que sofrem com sentimentos antagônicos de raiva  e saudades do pai que saiu de casa, ampliados pelos conflitos conjugais e as brigas pós separação, que acabam por provocar confusão entre o amor devido aos pais e o sentimento de lealdade àquele que mais perdeu com o rompimento. Em algumas famílias, as questões financeiras ou a falta da presença rotineira do pai ou da mãe, coloca as crianças na posição de cuidadores dos irmãos, o que é uma responsabilidade muito acima de suas reais possibilidades e que acarreta prejuízos na aprendizagem na maioria dos casos semelhantes.

Entre os nove e doze anos é comum ainda se assistir às tentativas infantis de reconciliar os pais logo após a separação, mas como já têm outros interesses pessoais, a raiva , a confusão de sentimentos e o senso de realidade começam gradativamente a dar lugar a  uma aceitação mais tranquila da nova situação.

Em geral, se a família se separa quando os filhos são adolescentes e estes foram educados dentro de normas claras, com respeito aos pais e com responsabilidade pessoal e familiar, tenderão, apesar de sentirem a mágoa da separação, a ter um comportamento cada vez mais imparcial, amadurecido, aceitando os fatos e colaborando no que for  possível com todos. Mas condutas anti-sociais também se revelam fortemente nessa faixa etária, quando  o processo de separação é por demais violento, quando o jovem não percebe ainda seu papel e deveres com a  família  e principalmente quando uma educação sem limites ou valores morais, começa  a dar mostras de seu resultado, independentemente de haver ou não  harmonia no lar.

O divórcio das famílias é uma experiência  que sempre deixa marcas profundas, pois no mínimo significa para o casal um projeto de vida que fracassou e do qual os filhos foram mais do que simples expectadores. Mas desse momento de fragilidade, com sabedoria, pode-se tirar lições importantes para o futuro e ainda ajudar os filhos a superarem essa fase, saindo dela mais  fortalecidos , equilibrados e preparados para enfrentar a própria vida.